A conquista da consciência negra é de todos nós

Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, celebrado  no dia 20 de novembro, faz referência à morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares – situado entre os estados de Alagoas e Pernambuco, na região Nordeste do Brasil.

A conquista da Consciência Negra é de todos nós. Do catálogo da  EdUERJ, destaca-se uma seleção de publicações pertinentes à história e à cultura da África no Brasil, para homenagear a data.

Capa_Arte_Africa_Carl_EinsteinCarl Einstein e a Arte da África, lançamento da EdUERJ, organizado por  Elena O’Neill e Roberto Conduru,  apresenta a  obra do historiador e colecionador de arte Carl Einstein (1885-1940) e seus escritos acerca de esculturas e objetos africanos, que ajudaram a inaugurar o campo de estudos sobre a arte da África. A difusão do pensamento desse teórico e crítico, além da contribuição de autores  (numa segunda parte), desafia o etnocentrismo ainda hegemônico, revertendo práticas determinadas pelo empreendimento colonial.

 

 

 

 

 

O  livro Pérolas negras – primeiros fios: experiências artísticas e culturais nos fluxos entre África e Brasil  reúne 42 9788575113042textos sobre variadas ideias e realizações da arte, da história da arte e da cultura, vinculadas às questões de africanidade e afrobrasilidade. A pesquisa adota, como diretriz plástico-conceitual para seus desdobramentos, o fio de contas – que acompanha a vida espiritual do fiel de sua iniciação às suas cerimônias fúnebres.

 

 

 

 

 

 

9788575111512As marcas da escravidão: o negro e o discurso oitocentista no Brasil e nos Estados Unidos,  de  Heloisa Toller Gomes, publicado em 2009, busca recompor a imagem (e a autoimagem) do negro no Brasil e nos Estados Unidos oitocentistas a partir de significativas mostras de discursos religiosos, políticos e literários. Heloisa Toller pesquisa a literatura oitocentista à procura de vestígios que ajudem a caracterizar o discurso que se construiu sobre o negro. Apoiada pelas teorias de Michel Foucault (análise das formações discursivas) e Jacques Derrida (literatura na intertextualidade), analisa conceitos ideológicos que perpassaram séculos e marcaram profundamente o nosso presente.

Share this post
  , , , , , , ,


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *